quarta-feira, 30 de maio de 2018

Fernando Pessoa e a democracia

"Pasmo hoje, com vergonha inútil (e por isso injusta) de quanto admirei a democracia e nela cri, de quanto julguei que valia a pena fazer um esforço para bem da entidade inexistente chamada 'o povo', de quão sinceramente, e sem estupidez, supus que à palavra 'humanidade' correspondia uma significação sociológica, e não a simples acepção biológica da 'espécie humana'"- Fernando Pessoa, carta a João Gaspar Simões (11/12/1931), in Fernando Pessoa- um retrato fora da arca (org. Zetho Cunha Gonçalves), Lisboa, Antígona, 2018.

2 comentários:

  1. Infelizmente e tal como muitos outros críticos da democracia, ele não nos apresentou uma alternativa viável, sobretudo tendo em conta o triunfo da democracia em todo o Ocidente...

    ResponderEliminar
  2. A alternativa existiu em Portugal entre 1933 e 1968. Também existiu na Áustria dos anos trinta. Ou, noutros moldes, na Itália de 1922 a 1943, etc.

    ResponderEliminar