quarta-feira, 25 de abril de 2018

Uma invasão maciça

Um terço dos norte-africanos desejam vir para a Europa. Como é que não haveriam de querer, ao verem as benesses de que gozam os invasores? um terço, no ano passado. Neste já devem ser mais. A sobrevivência da Europa Ocidental nunca esteve tão ameaçada.

http://www.breitbart.com/london/2018/04/24/one-three-north-africans-looking-migrate-number-rising/


3 comentários:

  1. A cada dia que passa, torna-se cada vez mais claro que estão a fermentar gradualmente as condições para uma guerra civil generalizada em solo europeu. Na noite de 22 para 23 de Abril, na ilha grega de Lesbos, a população local, farta de tanta humilhação às mãos da turba invasora e igualmente cansada de ser traída pela classe política, decidiu fazer justiça pelas suas próprias mãos e expulsar os alógenos ("refugiados coitadinhos" para os bem pensantes) que ilegalmente ocupavam o centro da cidade de Mitilene. A situação, como já era de esperar, terminou em confrontos violentos com a polícia e o Presidente da Câmara de Mitilene, o traidor Spiros Galinos, a descrever os patriotas gregos que apenas quiserem limpar Mitilene, como sendo "pessoas com crenças ideológicas extremas".

    Esta Europa, esta distopia alucinante que nos foram impingindo de mansinho e aos poucos, caminha a passos largos para a sua própria auto-destruição. O caos a todos os níveis aumenta a cada dia que passa e os sinais são verdadeiramente impossíveis de ignorar. Perante este descalabro que assume já contornos de colapso civilizacional, o que fazem as elites? Tentam alterar alguma coisa? Tentam remediar o mal por si provocado? Assumem ao menos que não passam quase todos de uns meros lacaios do projecto globalista? Não. O que os traidores das elites fazem é chamar "extremistas" a todos os patriotas e nacionalistas. De seguida, fazem mais umas promessas estapafúrdias nas quais só um perfeito pacóvio é que ainda acredita e segue "tudo como dantes no quartel de Abrantes", ou seja, as fronteiras continuam abertas, desprotegidas e só falta mesmo é estender um tapete vermelho aos alógenos, perdão... aos "refugiados coitadinhos" que só vêm em busca de pão e trabalho.

    Um destes dias e acreditem que já estivemos mais longe de tal, vai ocorrer algum incidente que sai completamente fora de controlo e a "bolha" vai rebentar de vez. Depois eu logo quero ver onde é que as elites traidoras se vão esconder, pois sendo as mesmas as primeiras responsáveis pelo estado de calamidade económico-social a que chegou a Europa, serão inevitavelmente também elas as primeiras a colher a fúria vingativa que as situações de guerra civil acarretam sempre consigo. No fim, eu já sei que aconteça o que acontecer, a culpa vai ser sempre dos "pavorosos nacionalistas", esse bando de teimosos com "crenças ideológicas extremas", que se recusam a submeter aos ditames da elite globalista e a trocar as suas pátrias por um prato de lentilhas.

    Mais aqui:

    https://historiamaximus.blogspot.pt/2018/04/da-guerra-civil-que-se-prepara-na-europa.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta cumplicidade das elites é criminosa. Isto não tem paralelismo na História. Se olharmos para o Império Romano temos bárbaros que se integraram e lutaram contra invasores posteriores. Neste caso nem isso sucede. Invasão pura e simples.

      Eliminar
    2. «Esta cumplicidade das elites é criminosa. Isto não tem paralelismo na História.»

      Chamar-lhe criminoso ainda é dizer pouco. Isto já assume características de genocídio organizado:

      https://historiamaximus.blogspot.pt/2016/04/o-que-os-politicos-portugueses-estao.html

      Eliminar