segunda-feira, 26 de março de 2018

Marcha contra as armas

Vimos, ouvimos e lemos acerca de uma marcha contra as armas, este Sábado, nos Estados Unidos. O esquerdalho continua a replicar as tácticas de antanho, sabendo perfeitamente que a memória histórica não é o forte das populações.
 Relembremos como foi: nos anos setenta e oitenta sucederam-se as "marchas pela paz", as "marchas pelo desarmamento" um pouco por toda a Europa Ocidental e América do Norte. Era o movimento comunista, através do seu satélite pacifista a jogar a arma do desarmamento unilateral. Enquanto os soviéticos colocavam os mísseis SS-20 nos países de Leste (e não se ouvia nem um piozinho das cândidas almas pacifistas), os norte-americanos eram uns facínoras provocadores quando respondiam com a colocação de mísseis Pershing na Alemanha Ocidental e na Holanda.
 Foram os anos do Conselho (ou Congresso, já não me recordo bem) Mundial Para a Paz, outro satélite vermelho, das pombas levadas para o parlamento português pelo deputado dos Verdes quando Ronald Reagan lá discursou. Já para o Afeganistão, Etiópia ou Angola nem um canário se arranjava.
 Hoje voltamos ao mesmo. O esquerdalho ao serviço da nova ordem não tuge nem muge quando a China ou o Médio Oriente se armam até aos dentes. Não se ouve a propósito das taxas de homicídio em países onde existe controlo de armas (como na América Central ou do Sul). Mas quando os cidadãos norte-americanos pretendem preservar o direito à auto-defesa lá estão eles a fazer o jogo costumeiro que já conhecemos há décadas. Não enganam ninguém e só vai na cantiga quem quer. Totalitaristas como são, sabem perfeitamente que um dos passos para a instauração da sociedade correspondente exige o desarmamento dos cidadãos e o exclusivo da força por parte do Estado socialista.

2 comentários:

  1. A exemplo de cá(e,pasme-se,dos EUA nos dias que correm) temos o "socialismo" à brasileira(cinismo,oportunismo e presunção de superioridade moral) http://sensoincomum.org/2018/03/17/todos-iguais-perante-lei-psol-mais-igual/

    ResponderEliminar
  2. O psol pertence à elite, aos salvadores do mundo. Como o Podemos ou o BE. Estão muito acima, têm uma lei própria, uma moralidade à parte.

    ResponderEliminar