quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A Europa da nova ordem

"O que acontece hoje no seio da elite intelectual dos países ocidentais (...) é uma apostasia do Cristianismo. Uma batalha em toda a linha, desde a política à ciência e do direito aos costumes, onde a tradição religiosa que baptizou a Europa e a educou século após século está a ser acusada de ameaçar o Estado laico, de ser obstáculo à convivência social e de impedir a investigação científica. O resultado global é o de, numa Europa sem Deus, os Europeus serem obrigados a coexistir sem identidade (...).
 A Europa evitou referir as suas raízes judaico-cristãs na (...) Constituição Europeia.
 A Europa excluiu da Comissão Europeia um político pelo facto de, na vida privada, ele afirmar que o casamento homossexual atenta contra a sua fé cristã.
 A Europa promove legislação que viola princípios cristãos acerca dos principais temas éticos. Defende o aborto, a eugenia, a eutanásia, a manipulação genética, mas tolera a poligamia e baixou as defesas legislativas contra a pedofilia.
 A Europa não defendeu um papa, Bento XVI, atacado por haver afirmado, numa das suas conferências, que o Cristianismo é a religião do logos e não da espada, e por apelas aos chefes islâmicos para se pronunciarem no mesmo sentido.
 A Europa impediu esse mesmo papa de discursar numa das suas grandes universidades por esta ser uma instituição pública e laica.
 A Europa esconde os seus símbolos cristãos e desencoraja o uso de felicitações como 'Feliz Natal' ou 'Boa Páscoa', porque não quer ofender os não crentes ou os membros de outras religiões.
 Nos seus diversos Estados, a Europa concede o máximo de liberdade religiosa e de culto aos muçulmanos, mas permite que essa mesma liberdade seja reprimida até ao martírio entre os cristãos da África, China, Turquia e Índia.
 A Europa invoca a liberdade de expressão para proteger obras de arte blasfemas aos olhos dos cristãos, mas suspende essa mesma liberdade quando está em causa a sátira irreverente contra o islão.
 A Europa reage com pusilanimidade ao fundamentalismo e ao terrorismo islâmicos por se considerar culpada de exportar a civilização cristã.
 E é assim que, pouco a pouco, a Europa vai cedendo."- Marcello Pera, Porque Devemos Chamar-nos Cristãos, Braga, Frente e Verso, 2013.

1 comentário:

  1. check http://maislusitania.blogspot.pt/2018/01/carta-do-macon-cardeal-ravasi-cari.html ( a própria igreja está minada meu caro,vejamos http://maislusitania.blogspot.pt/2018/01/carta-do-macon-cardeal-ravasi-cari.html )

    ResponderEliminar